Em alguns setores, digitalização de documentos passa a ser obrigatória

A digitalização de documentos é capaz de melhorar em 40% a produtividade de quem manuseia os arquivos e aumentar a satisfação de clientes em 37%, segundo um estudo realizado pela empresa de consultoria Forrester Consulting. Por isso, muitas organizações estão investindo em transformar seus acervos físicos em digitais e, para alguns setores, isso se tornou uma demanda indispensável. 

Um exemplo disso é que, recentemente, a Câmara dos Deputados aprovou uma medida provisória (MP 1.085/2021, também conhecida como a MP do Cartório Digital) que impõe a digitalização do acervo de cartórios de registro, além de demandar a oferta de serviços online. O texto ainda precisa passar pelo Senado para se tornar lei, mas já está em vigor em todo o país. Os cartórios têm até 31 de janeiro de 2023 para se adaptar a estas demandas. 

Mesmo com a digitalização de documentos, a medida ainda solicita que os cartórios mantenham os arquivos físicos. O objetivo é a redução de custos administrativos, assim como economia em espaço, materiais de escritório e gastos com mão de obra. E, para que esses benefícios sejam alcançados, alguns cuidados precisam ser tomados na transição do físico para o digital.

Os cartórios, e outras empresas que optem pela digitalização, deverão realizar a organização prévia do acervo disponível. Para isso, é preciso contar com mão de obra especializada (como profissionais da ciência da informação, arquivistas e bibliotecários, em parceria com outros profissionais); suporte para a experiência do usuário (UX) e atender normas e requisitos de segurança.

Uma das especialidades da Redata é apoiar no planejamento e na elaboração de regras, padrões e procedimentos para projetos de digitalização. Há mais de 30 anos, oferece às empresas  soluções para a extração de toda a inteligência contida em acervos corporativos. Quer conhecer as soluções que a Redata oferece para acervos digitais? Visite nosso site e siga-nos nas redes sociais!